Bebidas
04/07/2019

Cuenca – Patrimônio Histórico da Humanidade

Você já ouviu falar em Cuenca? É uma cidade ultra charmosa que fica a 180km de Madrid. Ela foi declarada Patrimônio da Humanidade em 1996, construída como uma fortaleza muçulmana durante o período islâmico, e foi reconquistada pela Espanha por Alfonso VIII no final do século XII.

Fonte Viagem, Comes e Bebês

A cidade é pequena, com cerca de 60 mil habitantes, mas possui um movimento cultural intenso. Agora você me pergunta: por que você quis conhecer? Se ainda não te dei motivo, na verdade, recebi há alguns anos atrás uma proposta de emprego para trabalhar em Cuenca e sempre tive curiosidade de saber como era a cidade.


Fonte Viagem, Comes e Bebês

Bom, então vamos lá. A cidade é pequena, mas a oferta de hotéis é grande, só que fica tudo lotado rapidamente. Então, programe-se para conseguir os melhores lugares aos melhores preços. Nossa passagem por aqui foi rápida, ficamos somente uma noite. Era curiosidade mesmo e, após uma viagem de 10 horas desde São Paulo até Madrid, não queria nem ficar em Madrid, pois tinha programado para o fim da viagem, nem ir direto para Valencia, que fica a 300km de Madrid. Então, uni o útil ao agradável e resolvi finalmente conhecer Cuenca.

Tá, mas esse é o meu motivo. Agora como te convencer que a cidade vale a pena?


Fonte Viagem, Comes e Bebês


Fácil! Primeiro, você deve ficar no centro histórico. De todo jeito! É uma cidade murada e fora dos limites do centro, é uma cidade bem “normalzinha” sem nenhum atrativo. Então já entendeu: nem pensar em ficar fora do centro!


Fonte Viagem, Comes e Bebês

Para continuar a te convencer, vou contar o que aconteceu…Chegamos em Madrid às 4h40 da manhã, pouco antes do horário previsto pela companhia. No terminal 1, onde pousamos, as agências de automóveis só abrem às 7h00, então, depois de passar pela imigração já leu esse post? Aproveita e pegas as malas, fomos tomar café e tentar comprar um chip para o celular (essa é outra história). O café foi mais ou menos bem sucedido (só tinha uma opção meio tipo Starbucks aberta e era bem carinha). O chip não, tem duas empresas que vendem no terminal 1, uma estava sem sistema e a outra, o preço era fabuloso. Bom, Enrolamos até umas 7h30 (eu tinha marcado para pegar o carro às 8h00). Depois de toda a burocracia do aluguel (por que o mundo todo não é rápido como os EUA???), pegamos o carro e fomos para o centro de Madrid para comprar o tal do chip (SIM card) – deu tudo certo! Além disso, precisamos enrolar um pouquinho, pois estávamos esperando mais duas pessoas que chegariam só por volta das 12h00 no aeroporto.



Agências finalmente abertas.

Tudo pronto, malas no carro, crianças, bebê, tias, cunhado e esposa no carro e lá fomos nós rumo à Cuenca! Isso já era quase 13h00 da tarde. Claro, todos estávamos morrendo de fome, então pensamos: ah! Vamos parar na estrada… Não foi dessa vez… paramos sim na estrada, mas tudo que tinha eram lojinhas de conveniência com salgadinhos e afins… não né! Segura a fome e a “familiarada” toda e almoçamos em Cuenca! Então… a viagem iria durar 2 horas, sim, durou, mas quem disse que conseguíamos encontrar o hotel? O GPS e o Waze marcavam no mesmo lugar, mas quando passávamos em frente, não existia nada. Aliás, eles indicavam que ficava no meio do quarteirão (no meio mesmo, no centro). Fomos e voltamos umas três vezes e, como a cidade é bem pequena e estava meio vazia (hora da Siesta), todo mundo ficava olhando para nossa cara e o nosso carro (era um carro gigante, uma van para 9 pessoas).


Fonte Viagem, Comes e Bebês

Avistamos uma escadaria e entendemos que o acesso do hotel só poderia ser por ali. Meus cunhados desceram do carro, subiram as escadas e adivinha! Encontraram o hotel. Tinha um estacionamento a uns 400m para baixo (esqueci de falar que a cidade é encravada em uma montanha, então é bem “facinho” ir e vir, sabe? Poucas descidas…), então descemos todas as malas, a criançada, a “adultada”, o carrinho de bebê e lá foram todos rumo ao hotel enquanto eu fui para o estacionamento. Não deveria contar isso agora, mas depois que descemos TODAS as malas, resolvi ligar no hotel (lembra que eu tinha um chip?). É… a mocinha do hotel me disse que dentro do estacionamento, tinha um elevador que levava até bem pertinho… Não pensei duas vezes… as malas estavam fora, ia ser mais difícil voltar toda a tropa para dentro de novo, então fizemos como combinado. Eu fui levar o carro sozinho, mas acompanhado de duas malinhas!


Fonte Viagem, Comes e Bebês

Carro estacionado, todo mundo dentro do hotel, aliás, que hotel fantástico!! Hospederia Del Seminário (um hotel que antigamente era um seminário para padres e foi totalmente remodelado (só os quartos) para virar um hotel. Lindo!
Saímos correndo para almoçar (já 4 da tarde). Achamos um restaurante bonitinho bem perto que tinha uma comida bem apetitosa. Sentamos naquela confusão e fome toda e adivinha? Já não serviam mais a tal comida. Só drinks e tapas… Era o que tinha, e assim foi (continuamos com fome). Decidimos então que íamos voltar para o hotel, tomar banho e sair para jantar (sim, é verdade!!!), foi o que fizemos, experiência meio péssima!!



Só valeu a pena a vista para a catedral.

Eram umas 19h30, todos prontos – lembre-se que no verão só anoitece lá pelas 22h00), lá fomos nós em busca do restaurante. Mas antes, fomos conhecer a cidade, afinal iríamos embora no dia seguinte. Nosso hotel estava pertinho da Plaza la Merced, com alguns restaurantes e uma vista fantástica da cidade. Seguimos a recomendação da recepcionista do hotel e fomos andando até a Puente de San Pablo (altíssima) que leva de um lado a outro da cidade (mas que você não precisa necessariamente atravessar – não há muito o que fazer do outro lado); avistamos as Casas Colgadas, um conjunto de casas “penduradas” na montanha, que datam do século XV; nos embrenhamos pelas ruazinhas charmosas da cidade; subimos até quase as ruínas do Castelo, nos esbaldando com as belas vistas do alto da cidade.



Vista da cidade de Cuenca.


Puente de San Pablo.


Casas Colgadas.


Outra vista incrível.

Não gostamos muito dos restaurantes do final da rua, por isso resolvemos voltar até quase a metade do percurso e ficamos em lugar bem bacana e ao ar livre. Com os mais de 30 graus e uma lua linda, tivemos nosso primeiro jantar na Espanha, fechando o dia com chave de ouro!



E enfim, a noite chegou (por volta das 22h00)


 Tin Tin…

O que você achou desse post? Comenta aí!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *