México
22/02/2019

Cancún ou não Cancún?

Eis a questão… Clichê ou não, pode ser uma dúvida comum para quem está buscando um sossego no paraíso.

Fonte: Viagem, comes e bebês

Se você não conhece Cancún, acho que deve imaginar o que quase todo mundo imagina (talvez por culpa de Hollywood). Festas na piscina, muita gente pelada, bebendo, todo mundo enlouquecido tomando Tequila dia e noite. Acertei? Tá, tudo bem, fui meio longe demais, mas é isso que passa nos filmes. Um monte de americano louco na piscina. Nos filmes, nunca nem vi a praia de Cancún, só via isso que eu falei. Parece viagem de formatura do último ano do colégio em Porto Seguro, mas mais pertinho dos EUA.
Bom, para quem não sabe, Cancún não é só isso. Também tem isso, mas não só isso. Tem golfinho, praia ultra azul, água quente, cenotes (já explico), ruínas maias, tem tartaruga, parque aquático… enfim, um montão de coisa para fazer.
A ideia deste post é contar meus primeiros dias em Cancún. Vai acompanhando essa série, pois lá no final, você vai responder a questão do título! Cheguei em Cancún depois de 9 dias sensacionais em Playa Del Carmen (quem me conhece, já sabe que essa frase que eu acabei de escrever, já responde a questão acima… 😉 ). Tinha reservado um hotel bacana, mas não O mais bacana. Fiquei no Barceló Costa (agora chamado Occidental Costa). Um all inclusive 4 estrelas, mas aparentemente bem completo. 

Fonte: Viagem, comes e bebês

Escolhi uma suíte júnior, pois eles não aceitavam quatro pessoas no mesmo quarto (nos mais simples).
O hotel fica na avenida principal de Cancún, perto de um monte de outros hotéis do mesmo tipo. 

Fonte: Viagem, comes e bebês

Não é um hotel imenso, mas estava abarrotado. Tanto que, quando cheguei, ainda um pouco antes do horário de entrada (cheguei por volta das 13h00 e só poderia entrar no quarto às 15h00), meu quarto não estava disponível e me pediram para deixar as malas dentro do meu carro, pois eles não tinham mais espaço no bagageiro. Sem problemas, deixei tudo no carro, mas perguntei se poderia almoçar. Me disseram que sim, porém, quando cheguei no restaurante (eles tinham dois) que estava funcionando, a recepcionista me disse que só poderia nos aceitar se tivéssemos com as pulseiras. 

Fonte: Viagem, comes e bebês

Voltei na recepção e me disseram que o quarto estava pronto. Ótimo! Peguei nossas malas, ganhamos as pulseiras e subimos para o quarto. Adivinha? Era um quarto comum, com uma cama de casal e um berço.Volto na recepção e me disseram que poderiam colocar mais um berço se eu quisesse (as bebês tinham 2 e 3 anos). Disse que não, que não era aquele quarto que eu tinha reservado e que eu queria a suite júnior com 1 cama de casal, 1 de solteiro, varanda e 1 berço, afinal já tinha pago por isso. A recepcionista, depois de alguma briga com o gerente junto, inclusive, me disse que não estava livre, mas que poderíamos ficar naquele quarto mesmo, almoçar, ir um pouco na piscina e até umas 18h00 já estaria livre. Como estava azul de fome, concordei… Bom, fomos almoçar e… estava um tumulto gigantesco de pessoas dentro do restaurante minúsculo (isso já eram umas 15h00) que, inclusive, já estava quase fechando para o almoço… Engolimos uma comida super fria e remexida, sentados em um lugar apertadíssimo e sem ar condicionado (estava uns 38˚C lá fora e lá dentro, uns 65˚C…).
Ah, estávamos em Cancún… Vamos à la fiesta…Não, acho que não… não com duas crianças né? Melhor não…Fomos para a piscina! Claro, não tinha lugar para sentar. Achamos uma única cadeira dando sopa, enfiamos todas as nossas coisas lá em cima, debaixo do sol escaldante e sem guarda-sol (eu disse que a cadeira estava vazia…), nos besuntamos com litros de protetor e mergulhamos na piscina! Que delícia! Água muito boa, piscina boa, porém tinha 1 bilhão de pessoas lá dentro. Afinal, lembra a temperatura???

Tinha de tudo… uma criançada gritando, som alto, uns adolescentes estranhos, uns jovens, adultos e idosos se embebedando, gente jogando bola, lendo livro (não sei como…), gente se embebedando, crianças gritando, gente se embebedando, gente fumando, gente se embebedando… acho que deu para entender, né?
A água da piscina estava até meio turva e tinha um nível de cloro transcendental!

Fonte: Viagem, comes e bebês

Chegou 18h00 horas. Viva! Vamos conhecer o nosso quarto. Sim, estava pronto. Bem maior, mas com a vista das costas do hotel, para o nada… tudo bem, vai. Eles foram fofos e deixaram uns morangos gigantes cobertos com chocolate em cima da mesa da nossa entrada.

Banho em toda a tropa e lá vamos nós jantar. Dessa vez os dois restaurantes estavam abertos, mas um deles (menor que o outro) só trabalhava sob reserva que, claro, já estava lotado desde antes de eu chegar no hotel. Tentei para o dia seguinte, mas também estava lotado. No outro dia (o meu penúltimo em Cancún) ainda tinha vaga, mas isso porque as reservas só abririam no dia seguinte, às 8h00. Fomos todos para aquele mesmo do almoço. Tinha uma fila de umas 100 pessoas (não é exagero!). Esperamos mais de 1h e conseguimos entrar no forno! Horrível! Comida, atendimento, espaço… Lá fui eu reclamar de novo na recepção. Me olharam com cara de ué e nada adiantou. Fomos dormir (depois de outro banho, afinal estávamos no forno, lembra?).
Dia seguinte acordei antes das 8h00 e descemos para o café. Ia aproveitar para reservar o outro restaurante. Quando olhei o lugar do café da manhã (o mesmo restaurante fornalha do dia anterior), a fila era de umas 200 pessoas! Aí não aguentei, fui para a recepção reclamar e adivinha… uma fila enorme para reservar o restaurante. Nossa! O que é isso? Impossível! Enfim! Fomos tomar café, enfrentei o calor, a multidão, a irritação e fui para a outra fila. Não reservar o restaurante, mas dizer para a gerente que não ficaria nem mais um dia sequer naquele hotel. Que me reservassem outro, mais condizente com o que vendiam na internet. Ela entendeu toda a situação e me enviou para o Barceló Tucancun (atual Occidental Tucancun). Um pouco mais caro que o que eu estava, mas ela disse que, por conta de todo o ocorrido, não me cobraria a diferença. Pegamos nossas coisas e lá fomos nós para nosso próximo destino, que vai ficar para o próximo post. E aí? Cancún ou não Cancún? Não responda ainda!

Fonte: Viagem, comes e bebês

Detalhe… esqueci de contar que tinha lido que o hotel (o primeiro) ficava na praia, pé na areia. Mas ninguém me disse que a areia só cabia 1 pé, de tão pequena. Não sei como alguém podia chamar aquilo de praia…

O que você achou desse post? Comenta aí!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *