Hong Kong
02/08/2017

Hong Kong – terra de contrastes

Saindo da Pottinger Street (se não entendeu, clique aqui), nos dirigimos ao metrô, estação Central, mas a Bebê 1 insistiu novamente para pegarmos o Tram de volta para a região do hotel. Como a nossa primeira experiência tinha sido muito boa, aceitamos a ideia!
Encontramos facilmente a estação, não sem antes passar por uma multidão de mulheres nas ruas.
** Pausa: não sei qual o motivo, mas entendo que deve ser um costume local, pois vimos isso no sábado e no domingo, milhares (sim, milhares) de mulheres reunidas em grupos nas ruas, em lugares específicos (mas em muitos lugares), desde estações de metrô, parques, ruas chiques, ruas não tão chiques, praças… Elas colocam um papelão ou uma grande lona plástica no chão, levam comida, celular (e como ficam no celular… e revistas e ficam por ali, horas a fio. No fim do dia, largam tudo lá (sim! A sujeirada toda) e vão embora. Ficam jogadas pelo chão de um jeito um tanto quanto peculiar (para não dizer nojento), comendo e rindo em uma espécie de barraca (sem cobertura). Enfim, diferente… Só vendo, para entender:



Chegamos na nossa estação e adivinha! Começou a chuvarada. OK, logo chegou o bonde – lotado! Que ideinha hein?!
Andamos um bocado dessa vez, um horror. Apertados, um bafo com tudo fechado por conta da chuva e de pé (eu não cabia… tive que ficar com a cabeça torta – o bonde era mais baixo que eu). Pena não ter tirado foto, já que eu não conseguia me mexer, para registrar o momento de terror.
Depois de um bom tempo nessa situação, chegamos enfim no nosso destino: Causeway Bay. Era onde ficava nosso hotel e é um ponto turístico para compras bastante famoso. Cheio de lojas famosas e outras não famosas também. Eles comparam com a Times Square de NY (inclusive tem uma praça que chama Times Square), por também ser um local cheio de luzes de neon à noite.
Entramos no Laforet, um shopping cheio de roupas estilo asiáticas, bem interessante, mas nada que as mulheres brasileiras consigam comprar, devido ao formato do corpo um tanto quanto diferente, entende?
Na frente desse shopping, tinha um monte de “barraquinhas” distribuindo pipoca, refrigerante, balões, suco de laranja, iogurte. Material promocional. Para alguns, era só entrar na fila, em outros tinha que curtir a página nas redes sociais (que não é o Facebook) – esses não entramos para pegar nada…



Passeamos um pouco por ali, vendo a diversidade de estilos e resolvemos voltar para o hotel para curtir um pouco a piscina e descansar para o próximo dia (DISNEY!!!).


Hotel, piscina, banho e vamos jantar!
A esposa viu que tinha Outback perto do hotel. OK, vamos garantir uma parcela da proteína para sobreviver à viagem (visto o que passamos no Japão…). Então, não! A carne custava meros HKG 498,00, ou seja, na conversão do dia, quase R$250,00 por uma carne!!! Nem pensar!!!
Saímos andando pela Times Square e entramos no Hysan Place/Lee Garden. Um shopping absurdamente gigante e chique (lojas das marcas mais caras e famosas) com milhares de opções de comida BARATAS!!! Como assim só encontrei isso no terceiro dia? E do lado do hotel!!!

Comemos muito bem em uma rede koreana chamada Pizzamaru, que serve desde batata frita, pizza Chicago Style (aquela beeeem recheada, sabe?) e Bibimpap. Eclético, não?!

Pizza Chicago Style picante, mas com muuuito açúcar impalpável em volta

Saímos de lá muito satisfeitos e preparados para encarar nossa próxima aventura em Hong Kong!

O que você achou desse post? Comenta aí!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *