Ásia
28/12/2016

Dubai – A chegada e algumas informações práticas 

Pousamos tranquilamente e, quinze ou vinte minutos depois, aquela multidão de pessoas já havia desembarcado. Muitos fariam conexão, outros tantos ficariam em Dubai e, por isso, deveriam se dirigir ao balcão de imigração antes de pegarem as malas. Esse era o nosso caso. Mas vou fazer aqui um parêntesis: não sou muito adepto a contar coisas muito burocráticas aqui no blog, prefiro as histórias, mas tive tanta dificuldade de achar informações corretas durante o planejamento da viagem e encontrei tantas informações desencontradas que resolvi que vou escrever sobre isso. E quem me conhece sabe que, quando resolvo ser detalhista, vou a fundo no assunto!

Então aí vão algumas informações práticas para quem resolve viajar a Dubai:

Sim, brasileiro precisa de visto para fazer conexões maiores que 8 horas, caso queira sair do aeroporto (o que eu altamente recomendo, por mil motivos – não vou me ater a isso). Tenho agora boas e más notícias:
–  quem voa de Emirates, pagou mais de mil dólares na passagem e fica menos de 24 horas na cidade, tem direito à visto, hotel por uma noite com café da manhã e transporte hotel/aeroporto/hotel. Sim, sério! Já incluso na passagem! Acreditem! Mesmo! Ressalto várias vezes isso, pois não li isso em nenhum dos blogs que eu pesquisei e na agência de turismo no Brasil, me disseram que desconheciam a informação e que era para procurar o consulado dos Emirados Árabes no Brasil! Alguns devem estar se perguntando porque eu sei disso e para que, já que ficaria mais que 24 horas na cidade… Respondo: minha irmã vai encontrar comigo no próximo destino e ela vai fazer uma conexão de 14 horas em Dubai… E cogitou dormir no aeroporto, pelos altos custos que teria caso tivesse que pagar por tudo isso! Enfim, onde encontrei a tal informação? Li e reli todas as regras da passagem e todas as páginas do website da Emirates (não é tão fácil encontrar isso escrito) e, porque não tinha bem certeza dessa vantagem toda, liguei na companhia e também escrevi um e-mail para eles. Nos dois meios de comunicação me garantirá, que era verdade!!!
– e quem voa por outra companhia, faz o que? Não sei… Não tenho a mínima ideia… Acho que tem que pesquisar, sei lá, ou rezar, ou… Enfim, não sei! Mesmo!
– tá bom, mas é quem fica mais tempo na cidade? Agora sim, esse sou eu! Seguinte: para tirar visto para permanência até 96 horas, você precisa de um sponsor, que nada mais é do que alguém que se responsabiliza por você no país. Calma, fica tranquilo… se você voa com a Emirates, eles mesmos fazem isso. Aliás, você tira o visto direto pela sua reserva de passagem. Entra lá com todas as suas informações pessoais, uma foto 3×4 digitalizada em baixa resolução e a página com a foto e a última página do seu passaporte, com validade mínima de seis meses (acreditem, pois eu tive que renovar o passaporte de uma  das bebês, pois valia 5 meses e 29 dias!!!). Quando você acessa o formulário de preenchimento do visto, eles te pedem para digi alizar mais um monte de coisa. Não precisa de nada disso (e quem me deu essa informação foi a própria Emirates, por telefonem e, claro, por e-mail!). Só precisa disso que eu citei.
Caso você vá ficar até 30 dias, o procedimento é o mesmo, mas o visto é um pouco mais caro. Eu paguei cerca de 70 dólares por pessoa. E paga no final do processo, depois de enviar toda a documentação, através de cartão de crédito internacional (tem que ser de uma das pessoas que viajam… Não pode ser de terceiros).
Dois dias depois, o visto estava aprovado e recebi o aviso por e-mail. Imprimi todos e guardei com os passaportes. Já explico como foram solicitados na imigração…
Antes, prometo que é o ultimo parêntesis de hoje, quero desabafar com vocês sobre todas as inverdades (😱) que li ou escutei por aí:
– tem que viajar com a Emirates! FALSO – a Etihad também pode ser seu sponsor e qualquer outra companhia aérea, desde que você tenha o seu bilhete de volta comprado e seu último destino não seja Dubai, ou seja, caso você so venha para Dubai mesmo, sugiro a Emirates, caso seja uma escala, curta ou longa, fique à vontade (mas ainda assim sugiro a Emirates… Leia meu último post).
– só alguns hotéis podem ser sponsors! MEIA VERDADE – sim, na verdade é verdade. Somente hotéis acima de três estrelas podem ser “patrocinadores”, mas eu quero ver alguém vir pra Dubai e ficar em um muquifo… Não sei nem se tem por aqui… Eu realmente não achei nenhum hotel muito ruim por aqui… Bom, também não fui a fundo nas buscas…
– você não pode comprar sua passagem com cartão de terceiros! FALSO – pode sim, ninguém pede o cartão na hora do embarque. Me certifiquei disso também. Um dia isso foi verdade, mas agora só vale para cartões emitidos no Paquistão ou no Afeganistão. Não me perguntem o motivo…
– quando você entra no país, te bloqueiam U$272,50 no seu cartão de crédito até que você saia! FALSO – talvez um dia isso tenha sido verdade, mas não é mais. Desde que você obtenha seu visto, nada mais é preciso. Não tem uma maquininha de cartão na imigração esperando por você…
Ainda vou falar mais algumas informações divergentes da realidade que li por aí, mas não agora…
Vamos agora voltar ao assunto: visto tirado, passagem comprada, muito dinheiro no bolso (sim, você vai precisar!), malas feitas e avião pousado. Era nessa parte que estávamos… Só esqueci de mencionar que, na hora do check in, ainda no Brail, me pediram os vistos impressos, então não esqueçam!
Desembarcamos em Dubai, depois de quase 14 horas de vôo e nos dirigimos à fila da imigração. Uma boa fila, umas 50 pessoas na frente é só dois moços, vestidos à caráter, atendendo à multidão sedenta por gastar milhões de dólares na cidade!
Chegou nossa vez e, quem me conhece sabe, meu nervosismo aflorou (sempre acho que vão me deportar, ou vão me prender por três dias em uma sala escura ou, sei lá… Ainda bem que nunca aconteceu nada, mas sempre acho que vai acontecer…). A bebê 1 começa a imitar um leão com o bichinho de pelúcia que ganhou no avião e desconcertou o cara da imigração que começou a rir (com toda aquela vestimenta e cara de bravo que tinha). Ele pediu os passaportes, os vistos, carimbou tudo e falou obrigado! Só! Mais nada! Juro!!!
Passamos por um raio X ANTES de pegar nossas malas (caso tivéssemos entrado com uma super bomba no avião e tivessemos trazido especialmente para explodir o aeroporto?… Enfim, vai entender, mas segurança é segurança, então vamos lá! Melhor assim…) e, claro, pegamos as malas e saímos em busca de um táxi. Ahhhhhhhhhhh, último parêntesis, mesmo!

Dica do dia: NÃO, eu disse NÃO reservem transfer com o hotel. O táxi funciona super bem, com taxímetro ligado, tem um montão à disposição bem na porta e é quase um terço do preço do transporte do hotel. Claro, se você não “ganhar” esse transporte… Vai que, né? Ah, e o Über também não compensa, é o mesmo preço do taxi e você ainda tem que ficar procurando e esperando… Para ilustrar: meu táxi custou 118 Dirhams, o Über saía por 127 e o transfer do hotel, por 275!
Dica dois do dia: troque alguns dólares no aeroporto, dentro do Duty Free. Aceedite, é mais barato do que do lado de fora… Pagaram 3,61, contra 3,49 do lado de fora (coloquei a cotação só para acreditarem!). Troque algum dinheiro, pelo menos para o taxi. Eles acetinam cartão, mas o motorista veio com uma história que demora uma eternidade para a máquina dar sinal, então ele preferia não passar cartão. Não insisti, mas, fica por sua conta e risco. Depois de 14 horas de viagem e a tensão da imigração, prefiro não discutir…
Andamos 30 km até o nosso hotel – é tudo muuuuuito longe por aqui – e, enfim chegamos para descansar e aproveitar o próximo dia! O hotel é meio grande… Merece até um post exclusivo. Olha um pedacinho dele aí embaixo:

Pedimos serviço de quarto, pois já estava tudo fechado. A comida e o serviço foram ótimos, mas uma bela facada!!! Uma vez basta!

Não reparem na comida… Tirando eu, que sou adepto a muitas novidades (pedi um prato indiano sensacional), o resto da família ainda estava se adaptando aos novos sabores, então preferiram não arriscar!
Não percam os próximos posts com as peripécias da família Araujo em Dubai!

3 respostas para “Dubai – A chegada e algumas informações práticas ”

  1. Katia disse:

    Acompanhando….

  2. Old Dubai – onde tudo começou  – Viagem, comes e bebês disse:

    […] Aqui vai mais um parênteses (para quem não viu os outros, clique aqui): […]

  3. Safari no deserto em Dubai – Viagem, comes e bebês disse:

    […] de muitas e muitas pesquisas (vocês já sabem dessa parte), eu aceitei contratar um pacote bem turistão para fazer um Safári do […]

O que você achou desse post? Comenta aí!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *