Japão
10/01/2016

Shinkansen – a continuação 

Continuando a história do trem-bala no Japão…
Depois de toda a confusão com o passe de trem (leia aqui), finalmente chegou o horário do nosso trem. Fomos até a plataforma, depois de acordar a cambada toda, encontramos nosso vagão e ficamos na fila para embarcar.

Acho que elá está acompanhando o blog…😜

Assim que o trem chega (nossa estação era a inicial dele, para o nosso trajeto), logo que desembarcam as pessoas, entra uma equipe enlouquecida de limpeza com sacos de lixo, panos e aspiradores e começam a arrumar desesperadamente o trem… Chega a ser engraçado…

A limpeza enlouquecida


Depois de uns cinco minutos e o trem imaculadamente limpo, pudemos entrar e procurar o lugar para a bagagem… Ah, não tem!! É, até tem, mas é tão pequeno, que deve caber umas três malas… Bom, também não é assim… Estou exagerando um pouco…
Tem lugar para as bagagens na parte superior do vagão, igual de ônibus, sabe? Cabe uma mala média, mas é menor que o espaço do avião… Algumas pessoas colocam a mala na frente das pernas, que até cabe… Claro, desde que você não esteja com duas crianças, pois elas tinham que viajar no colo…

Como fomos praticamente os primeiros a entrar, tinha bastante espaço e pudemos colocar (espalhar por todo o trem…) nossas bagagens com certa tranquilidade.
Faço aqui um parênteses… Eu já tinha lido sobre o problema de espaço no Japão, tanto nos hotéis, quanto nos trens, e já somos um pouquinho experts em viagens com crianças, então levamos (como eu já falei aqui) somente duas malas médias, dois carrinhos e duas mochilas, então não foi assim tão difícil encontrar espaço no trem (só os carrinhos são um pouquinho difíceis de serem acomodados, por conta do tamanho, mas deu tudo certo).
No início do trajeto não tinha ninguém do nosso lado (sentamos em um banco de três lugares e estávamos no meio e corredor), aí uma das bebês foi no banco e a outra no colo.
Começou a viagem e já começamos a comer… Estávamos famintos. Uma comida não muito ortodoxa, é verdade, pois não tínhamos programado almoçar no trem (banana, pãozinho, Pringles, bolacha, chá, suco… Não tinha muita opção).
No trem tem comida (tem um cardápio em cada banco e uma moça vem servindo em um carrinho – claro, com preço à parte da passagem (mas relativamente baratos)), mas as opções não eram fantásticas, por isso resolvemos comer o que tínhamos na mochila.

Mesmo assim, quando a moça do carrinho passou, compramos suco, nuts (oleaginosas – castanhas, nozes…) e um sanduichinho de presunto e queijo. Deu pra enganar bem o estômago.
  
Em relação ao trem, é bem bacana. As cadeiras são confortáveis, tem bastante espaço para as pernas, reclina o suficiente, tem um banheiro muito limpo e é extremamente silencioso e rápido.



Quando passa em certos locais, como túneis, por exemplo, faz uma boa pressão no ouvido. O que nós pegamos ainda não era considerado como de alta velocidade, mas já era bem rápido (iguais aos TGV na França).

O trem parou em oito estações antes de chegar na nossa e, depois de uns trinta minutos (na terceira parada), chegou a pessoa do nosso lado e as meninas tiveram que ficar no colo. Porém, depois de mais uns trinta minutos, vagou um monte de banco e pude sentar com uma delas confortavelmente!
Enfim, uma viagem atrapalhada no começo, mas muito agradável e que nos levou, confortável e tranquilamente ao nosso próximo destino: Kanazawa!!!

Aguardem o próximo post e não deixem de curtir e comentar!

3 respostas para “Shinkansen – a continuação ”

  1. Ingrid disse:

    Tá parecendo novela no SBT, kkkk… A gente lê pensando que vai acabar mas não chega nunca!!! rs.
    É tranquilo viajar com as meninas no colo? Não cansa pra caramba? Elas não reclamam? Minha filha enchia a paciência as poucas vezes que tivemos que viajar com ela no colo.
    Abs

    • Luiz Araujo disse:

      Tranquiiiiiillo nunca é, pois elas já estão grandinhas, então o espaço fica bem menor… Mas elas não reclamam não. Até gostam!

  2. patricialouro disse:

    De mais!!!! Fotos <3

O que você achou desse post? Comenta aí!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *