Frankfurt
31/03/2013

Alemanha para grávidas

Nossa viagem para a Alemanha foi rápida, mas inesquecível e deixou um gostinho de quero mais.
Passei algumas noites em claro antes de viajar, consultando milhares de blogs, fóruns, páginas, revistas, guias de turismo em busca do que fazer na Alemanha. Na verdade, alugamos um carro em Frankfurt e só sabia que iríamos até Munich… Mas nunca tinha pensado em nada em relação à Alemanha, ou seja, não era um destino desejado por anos, mas sim decidido no ímpeto da loucura 🙂
Depois de muitas buscas, decidimos por alugar o carro e ir direto para Munich – normalmente gostamos de começar pelo lugar mais longe e depois ir voltando para o lugar de embarque para o Brasil.
Passaríamos 2 dias em Munich, depois faríamos um pequeno pedaço da Rota Romântica da Baviera, parando em uma cidade chamada Rothenburg Ob der Tauber por mais 2 dias e terminaríamos em Frankfurt nos últimos 2 dias. Sabia que gostaríamos de conhecer muitos pontos importantes da rota: o castelo que inspirou Walt Disney (temos uma paixão secreta pela Disney – mas isso com certeza ficará para outro post) e… bom… era basicamente isso!
Enfim, como disse, não tínhamos nenhuma expectativa pela Alemanha, na verdade, sabe quando você não tem nenhuma opinião formada pelo assunto? Então, não tínhamos nenhuma opinião formada por esse país!

Chegamos em Frankfurt depois do extenso questionário na imigração, como falei no último post, pegamos o carro e fomos direto para Munich. Chegamos à noite, depois de dirigir a 180km/h nas autobahn da Alemanha (incríveis!). Tudo bem, estávamos grávidos, mas confesso que é impossível dirigir mais devagar… As pessoas buzinam a 150km/h!!! Dá medo dirigir em baixa velocidade (tipo 120km/h).
Deixamos o carro no hotel e fomos caminhar pela cidade. Ficamos em um hotel no centro velho – Splendid Dollmann. Ótima localização, quarto espaçoso, renovado, café da manhã simples, mas suficiente. O que eu gostei é que o pessoal era extremamente hospitaleiro. Parecia que estávamos em casa.

Nosso hotel em Münich

O centro estava meio vazio, fazia frio e nosso primeiro jantar foi em um restaurante que basicamente só tínhamos nós e um pessoal engravatado, meio happy hour… mas era muito tradicional, eu acho, pois ninguém falava inglês e acho que tanto o restaurante quanto os garçons datavam de 1615! Foi ótimo!!!

Pedimos algo que não tínhamos noção do que era (sou especialista em Cozinha Francesa e não sei falar Alemão…), mas o garçon disse em umas poucas palavras em inglês, que era bom! Então confiamos… e não nos arrependemos!

Acordamos no dia seguinte e fomos em uma feira de bugigangas, misturada com um mercado livre FANTÁSTICO, e uma praça de alimentação gigante – Viktualienmarkt! Foi ali que compramos um enfeitinho para o quarto da bebê 1 – um anjinho alemão super tradicional! Era um fim de semana e a feira estava abarrotada!!! Comprei, entre outras coisa, um tempero que adicionei na manteiga e ficou inesquecível e um mel que me faria voltar lá toda semana para comprar mais…
Ah… Dica: é quase impossível estacionar lá… todo lugar que eu achava que podia estacionar, alguém me alertava que aquele dia era proibido, ou que aquela hora não podia, ou que não podia hora e dia nenhum…

Viktualienmarkt

Viktualienmarkt

Viktualienmarkt

Viktualienmarkt

Viktualienmarkt

Depois fizemos um city tour por nossa conta e paramos para comer a torta de maçã com uma infusão de rooibos (um arbusto utilizado para fazer uma infusão muito consumida na África do Sul) que foi uma das melhores experiências gastronômicas da minha vida em um lugar extremamente agradável e despretensioso.

Restaurante Aran

Torta de maçã – restaurante Aran

No fim da tarde, paramos em um parque muito movimentado e muito calmo ao mesmo tempo, para descansarmos um pouco. Nada melhor que deitar na grama para isso! Olha aí a Bebê 1:


No jantar, fomos em uma cervejaria (biergarten) famosa de Münich – detalhe, não gostamos de cerveja, mas quem disse que na cervejaria só tem cerveja?? Vinho também!! Para a grávida, um golinho bem pequeno de vinho e suco de maçã!
Aqui tenho que fazer uma pausa e contar detalhes…
Entramos na Hofbräuhaus(cervejaria) e ficamos na porta esperando uma das meninas de vestido azul nos atenderem… Estava muito lotada e era gigante… Acho que passaram umas 30 garçonetes com seus vestidos esvoaçantes e nenhuma nem olhava para a nossa cara, então… resolvi parar uma delas – que estava carregando umas 10 canecas de cerveja, e falei (em inglês): tem lugar para duas pessoas? Ela me olhou com desdém e falou (em inglês! Ufa…): pode escolher… – infelizmente não tenho fotos boas desse lugar (só levei o celular), então tentem imaginar…



Detalhe: as mesas comportavam, cada uma, umas 10 pessoas (era um mesão com grandes banco de cada lado) e não havia muitas vazias… (se não me engano cabem 1500 pessoas nesse lugar!). Bom, andamos, andamos, andamos e encontramos um mesão vazio… sentamos! Isso já era umas 22h00 (chegamos lá umas 21h30). Depois de uns 15 minutos apareceu uma garçonete em seu vestido azul com um cardápio. Deixou lá e saiu correndo para entregar suas cervejas… estava em alemão!
Depois de mais uns 15 minutos tentando entender o que eram todas aquelas salsichas e linguiças do cardápio e os acompanhamentos (?!), um anjo de vestido azul chegou e falou… ahhh, esse está em alemão, vou pegar um em inglês! Muuuito mais fácil!
Escolhemos o nosso prato e esperamos mais uns 10 minutos até alguém chegar para atender, quando pedi… adivinhem! A moça do vestido azul (não o anjo) me disse (em inglês): ah, esse não vale mais! Vou pegar outro…
Por 5 segundos senti um vácuo dentro de mim e pensei: outro o quê??? Foi quando ela chegou com outro cardápio (em inglês), extremamente reduzido e com um detalhe básico: não constava neste, os pratos que tínhamos escolhido…



Resumo da história: quando forem à um biergarten, entrem, sentem onde estiver vago, escolha qualquer coisa do cardápio (mesmo se este estiver em um idioma estranho) e grite para que te vejam logo!
O prato estava ótimo, só esse negócio de batata, algo de porco e temperos estranhos que não consegui comer… Acham que lembram o que eu pedi? Nem pensar!

Dia seguinte, saímos do hotel rumo à Rota Romântica, mas antes fomos conhecer o local onde se comemora a Oktoberfest e a cidade olímpica (Münich Olympic Park). Meio vazio, mas valeu a pena…

Parque olímpico

Parque olímpico

Como eu me empolguei demais, vou continuar a escrever sobre a Alemanha em um próximo post… aguardem! Será que gostamos de Munich? Acho que gostar é pouco!

2 respostas para “Alemanha para grávidas”

  1. Alemanha para grávidas parte 2 – Rota Romântica | Viagem, comes e bebês disse:

    […] quem não lembra do último post Alemanha para grávidas, estava contando sobre nossa última viagem sem filhos, para a Alemanha. E contei toda a história […]

  2. Alemanha para Grávidas – o final da história | Viagem, comes e bebês disse:

    […] pesquisas para decidirmos qual cidade escolher para se hospedar e conhecer no meio do caminho entre Munique e Frankfurt, deixamos de lado as possivelmente lindas e aconchegantes cidades mais famosas, como […]

O que você achou desse post? Comenta aí!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *